Slider

  • Biblioteca Escolar Severim de Faria

    Descrição1
  • Biblioteca Escolar Severim de Fariao

    Descrição2
  • Biblioteca Escolar Severim de Faria

    Descrição3
  • Biblioteca Escolar Severim de Faria

    Descrição4
  • Biblioteca Escolar Severim de Faria

    Descrição5

Link back

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

domingo, 13 de março de 2011

Viagem de estudo ao Visionarium

Mais impressões sobre a visita:




Visionarium - 4 de Janeiro de 2011

No dia 04 de Janeiro de 2011, os alunos do 11º e 12º ano de Biologia da Escola Secundária Severim de Faria realizaram uma visita de estudo com o objectivo de visitar o Visionarium, situado em Santa Maria da Feira. A escolha deste local para a realização da visita prendeu-se com o facto do Visionarium ser um Centro de Ciência interactivo que permite a realização de experiências no âmbito da Física, Química e Biologia, experiências essas que possuem elevado interesse para a comunidade em geral e para estes alunos em particular.
No centro supracitado começa-se por assistir a um pequeno filme que serve de contextualização da "experiência": leva à compreensão do que se vai ver a seguir e de tudo o que se vai passar.
De seguida, visitam-se 5 odisseias (salas temáticas onde cada um pode aprender, por si só e através de experiências, o que é mostrado). É feita também uma visita ao laboratório, que será abordada mais à frente. Por último, é leccionada uma pequena palestra sobre o telégrafo e comunicações.
O tema da primeira odisseia é a TERRA. Esta sala, que é introduzida/explicada por Fernão de Magalhães (navegador Português do século XVI que realizou a primeira viagem de circum-navegação do globo), encontra-se repleta de experiências, conceitos e noções científicas sobre o nosso planeta. Nela, são abordadas, entre outras, as temáticas da orientação, cartografia, máquinas simples e mecânica.
A segunda odisseia apresenta-nos o tema MATÉRIA. E quem melhor para o introduzir que Dimitri Mendeleev, um dos maiores químicos do século XIX e inventor da Tabela Periódica? De facto, o elemento nº 101 da tabela periódica, o Mendelévio (Md), foi nomeado em sua homenagem!
A visita desta sala permite compreender a constituição e organização da tabela periódica, as propriedades da matéria, da luz e do electromagnetismo. É interessante salientar a existência de uma tabela periódica interactiva onde são visualizadas as substâncias referentes aos elementos constituintes da tabela, no seu estado físico real à temperatura ambiente (sólido, líquido e gasoso).
A terceira odisseia tem como tema o UNIVERSO. A visita a esta sala é iniciada por um pequeno vídeo introdutório com uma personagem virtual (Hubble).
Ao explorar a sala envolvida num ambiente evocativo do Espaço, é possível descobrir os diversos modelos de representação do universo, o funcionamento dos instrumentos utilizados em astronomia, o sistema planetário e ainda os conceitos científicos envolvidos na exploração Espacial, ilustrados por experiências interactivas.
A quarta odisseia foi sem dúvida aquela que mais esteve relacionada com a matéria leccionada no 12º ano de Biologia: o seu tema é a VIDA. O anfitrião desta odisseia é Gregor Mendel, pai das leis da hereditariedade e da genética.
Percorrendo o espaço que evoca as circunvoluções do cérebro humano, embarca-se numa viagem que demonstra a espantosa diversidade dos seres vivos. Os objectos expostos e módulos interactivos auxiliam a compreensão do funcionamento do código genético, do cérebro e dos sentidos: a visão, a audição, o tacto e o olfacto.
A última mas não menos importante visita foi à Odisseia da INFORMAÇÃO. Nesta sala, o próprio visitante torna-se parte da exposição: a sua imagem surge num monitor a conversar com uma personagem: o homem-máquina. Na realidade, a própria arquitectura da sala sugere a estrutura de um computador, com os seus vários componentes.
É assim possível (re)descobrir o mundo com o qual se lida diariamente, mas que a maioria das pessoas acaba por conhecer mal: a linguagem binária, a programação e o universo dos CD-ROM e da Internet.
Após a visita a todas as salas acima referidas, há ainda a oportunidade de realizar uma mini oficina sobre o telégrafo, o primeiro mecanismo que permitiu comunicações rápidas e a grandes distâncias. Assim, para honrar esta maravilhosa invenção são efectuadas comunicações com o telégrafo e ainda a descodificação de uma mensagem em Código Morse.
Para terminar, os alunos têm ainda a oportunidade de participar numa actividade no laboratório do Visionarium relacionada com o estudo da molécula DNA e com as suas aplicações no ramo das Ciências Forenses.
Após uma pequena sessão durante a qual os alunos relembram algumas características do Ácido Desoxirribonucleico, bem como as suas aplicações na criminologia, são formados grupos que fornecem uma amostra de saliva de um membro para a realização da experiência a seguir descrita.
Após a extracção da amostra estar concluída, realiza-se a purificação do DNA e posteriormente a sua ampliação pelos processos PCR (Polymerase Chain Reaction) e electroforese. A electroforese permite a análise de DNA através da migração das moléculas que o constituem, o que gera um resultado diferente de pessoa para pessoa.
Numa tina de electroforese é deitado um gel de agarose e colocado um pente. Depois de seco, o gel é retirado do pente, observando-se então a formação de pequenos "poços" no mesmo, poços esses onde é colocada a amostra de DNA.
No laboratório uma tina com o gel já seco onde cada grupo coloca a amostra de DNA salivar que havia retirado, em cada poço. No final desta actividade realiza-se a comparação do rasto de DNA obtido por electroforese, num gel já previamente feito, de várias pessoas. Assim, comparamos o DNA recolhido na "cena do crime" com o de todos os indivíduos que foram submetidos à recolha de DNA e identificamos o culpado, devido à observação que foi feita na tina com gel de agarose. O pedaço de DNA que nos permitiu fazer este tipo de identificação chama-se DNA Satélite.
Em suma, foi uma visita que apesar de cansativa foi cativante. É uma excelente forma de promover a Ciência. Foi uma aventura científica, pois interagimos directamente com os equipamentos e experiências o que fez com que conseguíssemos enriquecer os nossos conhecimentos científicos.
Os objectivos associados à visita de estudo foram cumpridos, exceptuando os que estavam associados à actividade Mini – oficina GPS, uma vez que a mesma não se realizou, por o material não se encontrar operacional, tendo sido substituída por uma outra Mini – Oficina denominada “ O Telégrafo”. A substituição da actividade foi combinada previamente, por telefone, e teve em conta os conteúdos associados aos conteúdos programáticos da disciplina de Física e Química. A referida actividade realizada enquadra-se no programa da disciplina, na unidade “Comunicações” e no conteúdo “Comunicações à distância”.
Em termos genéricos consideramos que as actividades desenvolvidas e as exposições visitadas foram bastante interessantes e que os objectivos pretendidos foram alcançados.
 No que se refere à postura evidenciada pelos alunos durante a visita de estudo, não há a registar qualquer problema. Bem pelo contrário, há que valorizar e elogiar o seu bom comportamento, o respeito máximo pelas regras elementares de conduta e pelas instruções que tiveram que cumprir durante a visita, o convívio saudável com os professores num ambiente diferente do existente no dia-a-dia escolar e um sentido de responsabilidade exemplar.
Colaboraram neste relatório os alunos:

Joana Machado
Francisca Manoel
Miguel Coelho
Teresa Caldeira
Carolina Alegria
Ana Sofio
Helena Guerra
Ana Lopes
Nádia Fialho
Duarte Alves
Margarida Figueira
Cátia Cordeiro
Inês Rocha

Colaboraram neste relatório as professoras:
Drª Olívia Amador (revisão do texto)
Drª Teresa Horta

Sem comentários: