Slider

  • Biblioteca Escolar Severim de Faria

    Descrição1
  • Biblioteca Escolar Severim de Fariao

    Descrição2
  • Biblioteca Escolar Severim de Faria

    Descrição3
  • Biblioteca Escolar Severim de Faria

    Descrição4
  • Biblioteca Escolar Severim de Faria

    Descrição5

Link back

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

terça-feira, 24 de março de 2009

Dia Mundial da Poesia



A exaltação do Alentejo enquanto objecto amado do sujeito poético acontece no poema «Alentejo», inserto no Diário XII:

Sousel, 20 de Outubro de 1974

Alentejo
A luz que te ilumina,
Terra da cor dos olhos de quem olha!
A paz que se adivinha
Na tua solidão
Que nenhuma mesquinha
Condição
Pode compreender e povoar!
O mistério da tua imensidão
Onde o tempo caminha
Sem chegar!...
(Miguel Torga)

A interpenetração entre sujeito poético e Alentejo é expressa através da metáfora «Terra da cor dos olhos de quem olha!», a fazer lembrar os versos de Camões «Transforma-se o amador na cousa amada, /por virtude do muito imaginar.» e ainda os de Nuno Júdice « a rosa nem branca nem vermelha, a rosa pálida, / vestida com a substância da terra:/ a que toma a cor dos olhos de quem a fixa…»
Admirável na sua dignidade, o Alentejo permanece misterioso e desejável.

Ana Paula Ferrão

Sem comentários: