Slider

  • Biblioteca Escolar Severim de Faria

    Descrição1
  • Biblioteca Escolar Severim de Fariao

    Descrição2
  • Biblioteca Escolar Severim de Faria

    Descrição3
  • Biblioteca Escolar Severim de Faria

    Descrição4
  • Biblioteca Escolar Severim de Faria

    Descrição5

Link back

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

sábado, 1 de novembro de 2008

A árvore




Se lerem A Árvore, de Sophia de Mello Breyner Andresen, poderão viajar até terras distantes, e perceberão que os orientais têm muito que nos ensinar…
Vou revelar-vos parte da história para despertar a vossa curiosidade:

Havia uma árvore muito grande, numa pequeníssima ilha do Japão. Era muito bem tratada e admirada ao longo dos tempos. Os Japoneses orgulhavam-se dela.
No entanto, surgiu um problema: cresceu tanto que tirava a luz a metade da ilha. Isso provocava tristeza, humidade, constipações…
As pessoas questionavam-se sobre o que deviam fazer. Houve uma reunião para a população decidir como agir face a este problema. A decisão foi dolorosa: tinha de ser cortada. No seu lugar, plantaram cerejeiras, árvores que nunca crescem muito.
Como depois de cortada, a árvore ocupava muito espaço, desfizeram-na e fabricaram objectos para recordação. Apenas restou o tronco. Não deixaram os viajantes ficar com ele e construíram um barco enorme, muito bonito. Quando ele foi lançado ao mar, realizaram uma festa.
A partir daí, a vida daquele povo melhorou bastante. Graças àquele barco, navegavam de ilha em ilha e negociavam; davam grandes passeios…Com o passar do tempo, as cerejeiras cresceram e passaram a celebrar a festa da cerejeira em flor. Esta era muito animada, tinha canções, malabarismos, comida e bebida.
Muito tempo a vida decorreu com alegria. Porém, ainda recordavam, com saudade, a velha árvore.
Os anos passaram. E um dia uma desgraça aconteceu: a madeira do barco estava a apodrecer. Então, foram às ilhas vizinhas comprar madeira e construíram outro barco. Depois, aproveitaram o mastro do barco velho e fizeram com ele uma guitarra japonesa.
Quando um músico a experimentou, o povo ouviu uma voz que dizia...

Pois é, gostavam de saber o final, não é? Mas eu deixo-vos no suspense.
O que vos posso adiantar é que é um conto comovente que cativa o leitor. Não conseguimos parar de o ler.
Parabéns à autora. Sabem que ela começou a inventar histórias para distrair os seus filhos quando eram pequenos e estavam com varicela ou sarampo? Um dos sortudos foi o Miguel Sousa Tavares. Sim, esse mesmo, o que vemos na televisão a fazer comentários políticos e que também é escritor. Também gostei muito de O Planeta Branco. Filho de peixe…

Miguel Ferrão/7ºD

3 comentários:

Biblio Faria disse...

Parabéns.
Continua.
E já agora, diz aos teus colegas para colaborarem.
João Simas

joao fialho disse...

Olá, eu sou o João Fialho!

Estou no 8ºano e estudo no Liceu de Beja.
Achei a tua participação sobre esta obra muito interessante. Quem não conhecer «A árvore», deve querer ler a história rapidamente.

Continua a participar!
Vou estar atento...

Anónimo disse...

Olá, eu sou o João Fialho!

Estou no 8ºano e estudo no Liceu de Beja.
Achei a tua participação sobre esta obra muito interessante. Quem não conhecer «A árvore», deve querer ler a história rapidamente.

Continua a participar!
Vou estar atento...