Slider

  • Biblioteca Escolar Severim de Faria

    Descrição1
  • Biblioteca Escolar Severim de Fariao

    Descrição2
  • Biblioteca Escolar Severim de Faria

    Descrição3
  • Biblioteca Escolar Severim de Faria

    Descrição4
  • Biblioteca Escolar Severim de Faria

    Descrição5

Link back

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

sexta-feira, 25 de setembro de 2009


- Papá, o que é escrever? - perguntou-me o meu pequeno rebento de quatro anitos, cabelo desalinhado e olhos verdes.
Observara-me a tentar acabar o meu romance histórico. O Sol entrava pela janela, reflectindo os seus raios na mesa, na jarra de flores e no Manuelinho. Tomei-o no meu colo e disse-lhe:
- Escrever, meu filho, é uma arte que parte de nós. Os teus professores ensinar-te-ão a ler e a juntar letras e sílabas de maneira a fazeres frases. Mas a escrita parte de ti. És tu que a aprendes sozinho. E quando souberes escrever, escreverás todos os dias. Não só recados, cartas, mensagens ou a matéria do quadro. Escreverás quando quiseres, quando tiveres necessidade disso. Escreverás muito ou pouco, coisas boas ou más, com qualidade ou não e com ou sem sentimentalidade. Escreverás quando estiveres muito feliz ou muito triste, quando estiveres zangado ou contente. Escreverás para os outros ou para ti próprio. A escrita é uma arte que vais amando cada vez mais ao longo da tua vida.
- Então é por isso que escreves papá? Porque amas escrever?
- Sim. Bem me vês escrever todos os dias, horas e horas a fio. Para além de ser um prazer, é o meu trabalho.
- E porque é que as pessoas lêem papá?
- Lêem pelas mesmas razões por que escrevem: porque é bom, faz bem, as pessoas ficam informadas. Também se lê por prazer e por gosto.
- Papá, gostas mais de escrever do que de mim e da mamã?
- É claro que não, - agarrei-lhe o rosto com ambas as mãos e olhei-os nos profundos olhinhos inocentes - amo-vos acima de tudo, da escrita e até da minha própria vida. Tu e a tua mãe são a razão da minha existência.
Ele abraçou-me e exclamou muito alto, dando de seguida um saltinho do meu colo para o chão:
- Obrigada pela explicação papá! Quando souber escrever, escreverei uma história sobre um menino com uma mãe querida e com um pai escritor. Amo-te papá!
Vi-o sair do escritório, aos pulinhos, como se lhe tivesse contado o mais precioso e maravilhoso segredo do mundo…

Carolina Pena 10ºLH1 nº8

1 comentário:

Carolyna disse...

Enganei-me no ano. Sou do 11ºLH1.